A partir de estudos técnicos realizados, o Governo do Estado entendeu que implantar o metrô de superfície era a melhor opção pela vantagem econômica e porque se adequaria melhor ao tipo de solo de Salvador, além de respeitar os planos diretores da cidade e também o projeto inicial do metrô que era da Prefeitura Municipal de Salvador, onde já estava prevista a construção do modal não subterrâneo. Uma obra de metrô subterrâneo seria muito mais caro e demorado. No caso da região da Avenida Luiz Viana Filho (Av. Paralela), o canteiro central foi idealizado desde a sua construção nos anos 1960 e 1970, para um futuro transporte de massa, a exemplo do metrô. O traçado do metrô em sua maior parte é em superfície, tendo alguns trechos em elevado, como no caso das travessias das 2 lagoas artificiais do canteiro central da Avenida Paralela.